UM BLOG PARA ALÉM DA LIBERDADE DA UTOPIA

domingo, 21 de junho de 2009

UMA LÁGRIMA


Fonte: Picassa web
Há muito por se chorar na estrada da humanidade
Há muito por se fazer no cotidiano da vida
Mas uma lágrima não pode revelar tudo
Só o espinho que produz a lágrima
Pode revelar a natureza do choro.

DIÁRIO DE UM CACHORRO

Fonte: Picassa web
Como professor, estou em greve.
Defendo uma lei que renove a educação.
Só quero que o governo seja legal e aplique a lei.
Aplique a lei do Piso.
Mas o governo não é legal.

Como professor, estou em greve.
Mas a greve é ilegal.
Como pode?
Se defendo a lei como posso está ilegal?
Pensei que fosse um direito.
Pelo menos me dizia a lei.

Como professor, pensei ser um professor
Mas dormi sem olhar no espelho
E sonhei ser o melhor educador
Mas acordei sentido, sentindo dor.
A greve é ilegal e acordei...
Acordei, olhei no espelho e me vi um cachorro.
Um cachorro que ensina...
Um cachorro legal.

UMA FLOR NO DESERTO

Fonte: Flick Sansão Jr.
Um espinho no jardim é somente um intruso
Um espinho no deserto Razek é parte do deserto
Uma flor no jardim é apenas uma bela flor no jardim
Uma flor no deserto é mais que uma bela flor no deserto,
É a esperança de um gesto sublime
Para muito além do deserto.

sábado, 20 de junho de 2009

ANJO PENSATIVO

Fonte: Picassa web
Um pensamento que em sua forma só pode ser abstrato, mas não puro, destarte avança sobre a realidade como se a dominasse ou simplesmente se iludisse na performance do real.

MAGIA

Não fosse você a mim importante tanto
O tempo me teria feito o amor esquecer
E alguém outro, só veria suave encanto
Ao som de poemas, um instante falecer.

Faria se perder todo esse amor em verso,
Que lírico ou épico, num toque de magia,
Deixaria esse viver ao longe e disperso,
Ilusório, tal o ritmo do coração que se ia.

Tamanha a dor do vazio que ali existiria,
Seria o holocausto da poesia parnasiana,
Sombras dum eco do pensar que surgia.

Sereno e louco tal um amor inconstante,
Um breve mistério logo se transformaria
Na libélula suicida de um amor distante.

domingo, 14 de junho de 2009

ALÉM DOS MUNDOS

Fonte: Picassa web
Pelas lei naturais estivemos sempre um com o outro e para sempre vamos estar... Pelas convenções sociais somos cúmplices da distância... Pelos mistérios da espiritualidade, apenas sentimos e esperamos... Parabéns, muita luz e paz.

MENINO

Menino vadio
Sem pai e sem mãe
Pelos campos e cidades
Ruas e praças
Sem ter o que fazer
Busca sem saber como
O direito de viver.


Menino na lama
De cara com o crime
De corpo franzino
E coração rebelde
Percorre as ruas
Não vendo o momento
De praticar as suas.


Menino na corda
No meio do fogo
No mundo do crime
No inferno maldito
Na marginalização
Sem perspectiva
De uma educação.


Menino que chora
Sofre e se cala
Mas com nada se abala...
Menino traquino
Que perdeu os sonhos
Diante de uma bala
E não houve mais sinos...


Menino chateado...
Perdido e ferido
De alma sofrida
De coração magoado
Triste e sentido
Com rosto carrancudo
E estômago vazio.


Menino futuro...
Exposto nas ruas
Tal uma arte condenada.
Nas viaturas.
Menino construído...
Presente e futuro
Destruído...


18 / 05 / 1984

TRANSIÇÃO


Fonte: Flick Sansão Jr.
Penso que a morte é o sistema de transporte mais seguro que existe, não falha nunca. E a vida é somente o trilho por onde passa o espírito que irá além do imaginário.

LIBERDADE


Não ficarei tão só no campo da arte,
e, ânimo firme, sobranceiro e forte,
tudo farei por ti para exaltar-te,
serenamente, alheio à própria sorte.
Para que eu possa um dia contemplar-te
dominadora, em férvido transporte,
direi que és bela e pura em toda parte,
por maior risco em que essa audácia importe.
Queira-te eu tanto, e de tal modo em suma,
que não exista força humana alguma
que esta paixão embriagadora dome.
E que eu por ti, se torturado for,
possa feliz, indiferente à dor,
morrer sorrindo a murmurar teu nome.
(Carlos Marighela)
São Paulo, Presídio Especial, 1939.